“Ando tão à flor da pele…”

Hoje, enquanto sentia meu cérebro colapsando, fundindo em parafuso, saindo esmigalhado depois do furacão que tenho vivido, eu consegui ver uma beleza nessa cidade que eu nunca mais tinha sentido. Sem notar que não sentia, fazia anos já.

Ao fim da tarde, aquela iluminação lateral de um sol amarelinho quase indo embora, refletindo um charme local que eu resistia ver depois de viver intensamente esse lugar de um ponto de vista exclusivamente cansativo…

Estranhei porque eu estava confusa, a mente desgastada e o corpo querendo parar.
Pareceu bom ao redor, ainda assim.

Eu reconheço hoje o que me fez ficar…

Já à noite eu tive que conter o rubor da face, o cansaço dos olhos e o sentimento transbordante quando virei a esquina de casa… após passar por ruas de aconchego.

Tenho tido desafios enormes.
Tenho errado bastante e descoberto que ser ninguém é mais seguro.

Me sinto arrogante por estar satisfeita comigo, ainda não tanto com o (des)conforto que me rodeia, mas consigo dizer que meus momentos anestesiados estão me fazendo descobrir prazeres além da carne.

Toda hora acho que o meu jeito vai me matando… meu coração pula descompassado, meu cabelo cai, eu perco peso, estou fraca, não durmo direito, fico tensa a todo momento e não me alimento como deveria. E cada vez mais parece que o caminho é seguir assim até que nada me abale mais.

Mas hoje, depois de muito tempo, eu virei a esquina de casa e quis chorar de alegria.

Porque eu estava chegando em casa. E olha que esta ainda é a passageira…

O motivo parecia ele, foi pensando nele que fiquei, que insisti.
Mas minha teimosia não é tão romântica assim…

Eu ainda sou capricorniana.

Só que eu me encantei. Que bom passar por essa vida sabendo que eu consegui me abrir assim! Logo eu, a receosa de todos, o amedrontamento social em pessoa!

Acho que eu entendi que preciso olhar pra mim, sem me preocupar em entender. Fazer terapia num meio em que todos ignoram o pensamento é procurar problema. Todos precisariam ao redor precisariam estar dispostos a suavizar comportamentos e observar-se. Só que a grande maioria detesta observar… e falam demais.

Canso das palavras.

Elas nunca tem fim…

 

 

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s